Vem com a gente!

Pseudo-ensaio Oswaldiano sobre blogosfera literária



By  Coletivo Poesia Marginal     18:27:00    Marcadores: 


        Quatro anos acompanhando blogs literários, e nem uma palavra sobre literatura marginal. Essa experiência não é minha, mas de uma blogueira que certa vez comentou uma das postagens do blog. Outra, alegou sempre procurar ler coisas diferentes, mas nunca ter se deparado com uma obra intitulada literatura marginal. Dois deles, mostraram um completo desconhecimento a respeito do que seria a literatura marginal, alegando que o texto não se encaixava por se tratar de um cotidiano. Sangrento, violento, periférico, mas em sua visão, nem um pouco marginal. Outros três admitiram não ter conhecimento sobre o assunto.Não se enganem: isso não é sobre os autores de tais comentários, eleitores ávidos, blogueiros, em alguns casos escritores, e não, eu não pretendo citar nomes. Isso é sobre a doença que acomete a literatura. 
        
        Esse Coletivo, assim como muitos dos nossos poucos leitores, lutam contra uma terrível doença parasitaria que acomete a blogosfera. Sem rosto e sem nome, ela é propagada por editoras. A principio, isso parece algo diferente, que eu não lembro o nome, mas beneficiam ambos os lados. A editora ganha publicidade, o blog ganha livros, com os quais pode fazer postagens e sorteios (Um dos responsáveis por inflar os números e blogs e páginas, com gente que nunca dará um like ou comentará). O problema é que no fim de meses, o que ocorre é que os blogs viram dependentes das editoras. Vejam bem, pensem quantos blogs literários vocês conhecem. Agora se perguntem quantas vezes viram um conteúdo literário, que não faz parte de um livro, ser resenhado. 

        Um dos meus autores estava perguntando se teria de escrever um livro para ser levado a sério enquanto escritor, e ai, digam vocês, vai? Quantas vezes vocês veem as pessoas declararem amor a literatura, a contos, romances, poesias e quantas vezes vocês veem as pessoas declararem amor aos livros? Você, ~resenhista~, quantas vezes se permitiu achar um conto digno de resenha? Quantas vezes você leu um, gostou, e sequer pensou em resenhar? Por que? Se fosse um livro, você pensaria? Aliás, quantas vezes você parou para pensar em como livros e literatura não são sinônimos? Quantas vezes viu um conto, poesia ou romances não literários? E quantas vezes viu um livro de biografia, didático ou mesmo técnico? Uma porra de um dicionário. 

        Aliás, você que tanto lê, quanto reflete? Quanto sai da caixa? Tu já leu cordel? Já foi em sarau? Quantas experiências literárias diferentes de ir em um sebo\livraria você tem? Quantas formas você tem de abordar literatura? Você sabe falar de literatura sem falar de um livro especifico? Por exemplo, abordando um aspecto comum a certos textos literários? E se for falar de um livro, sabe sem ser resenha? Falar de parte dele, não do todo? Ensaio, quem sabe. 

        Dúvidas, muitas duvidas. Dúvidas que eu, não posso responder. Sim, eu tenho um blog que publica literatura, e vez ou outra, fala sobre, mas sem resenhas, pareço pertencer nessa esfera mais por insistência que qualquer coisa. Mas essa é minha especialidade, ser insistente. Insisto em ser escritor em um país como o Brasil – não sejamos injustos, porém, desde que os escritores brasileiros sigam a cartilha americana, são lidos, sim senhor – insisto tentar fazer disso uma profissão e ser reconhecido. Insisto, em divulgar meu trabalho, mesmo que a maioria das pessoas que vejam, não se deem ao trabalho de interagir. 

        Não pensem que eu sonho mudar esse mundinho, eu sou iludido, mas nem tanto. Minhas ilusões permitem que, no máximo, pensar que esse texto pode ser lembrando antes dos próximos posts de alguém. E quando a pessoa decidir que o conteúdo mais interessante para ser levado aos seus leitores é aquela resenha de um livro romântico onde a protagonista tem seu mundo virado de cabeça para baixo após conhecer o mocinho problemático, mas totalmente idealizado, eu enfim aceitar que eu não me enquadro nessa blogosfera. 

        Bom dia.

40 comentários:

  1. Excelente publicação.
    Temos um quê de precisar ler um livro e só dele falar em uma resenha, comentar apenas dele e deixamos os contos, poemas e trovas para comentários menores, talvez somente em mesas de bar com outros leitores. O que nos remete a pensar: o que é literatura? O que é um escritor? Um autor?

    Sobre literatura marginal, não sei se pode se encaixar como, mas quero te recomendar a obra de um companheiro. A Grande Caça às Borboletas, de Ramon de Souza. https://www.wattpad.com/story/84208143

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto embora não concorde integralmente. A internet tem espaço para todo mundo; embora também exista aqueles que achem que literatura tem um certo padrãozinho americano comercial.

    Abraço, Vitor!

    ResponderExcluir
  3. Gostei bastante do texto apesar de achar sua forma de pensar um pouco radical mas mesmo assim parabéns

    ResponderExcluir
  4. Gostei do texto, ele nos faz refletir. E infelizmente aqui no Brasil ainda existe um enorme preconceito literário. Espero que um dia isso acabe!
    Eu amo poesia, amo contos...eu amo ler!

    ResponderExcluir


  5. Oi Vitor, tudo bem? Preciso admitir que lendo o texto, primeiramente, fiquei ofendida. É normal, claro, que eu tenha levado para o pessoal, como "blogueira" literária, especialmente porque tenho consciência do que você fala e concordo. Gosto de pensar que estou um pouco fora desses padrões... Talvez não esteja tanto assim. Li novamente e percebi que o papo de "nem todo mundo" tem que passar longe daqui porque, infelizmente, a exceção dessa regra (eu estando nela ou não, já não interessa) é mínima. É claro que todo mundo tem que ter o seu lugar na blogosfera, e isso é muito legal, mas realmente o "fora da caixa" parece não existir e, se existe, não tem reconhecimento necessário. Parece que o padrão e o copiado é o sucesso. A quem eu posso culpar, porém? De um lado, fico feliz porque isso estimula a leitura, mesmo que seja por obrigação, pra aparecer ou pra estar por dentro. Por outro, onde é que acabou se enfiando a originalidade? O "boom" de blogueiros e vlogueiros é ótimo pelo lado do estímulo que dá às pessoas que o precisam; é lindo ver gente de todos os tipos lendo cada vez mais. Mas tira voz de quem quer ser diferente. De quem quer ousar. É difícil que alguém saiba mesmo o que é um autor, o que é um escritor e o que é a literatura. É difícil ver alguém que dê valor a um trabalho literário que não seja um livro, afinal, é até mesmo difícil encontrar alguém que dê valor a um livro que não seja famoso ou comercial. Seu texto estimula o pensamento crítico e é um grito de desespero no meio desse mar de cópias (um grito que ecoa por aí, mesmo que baixo e mesmo que pouco), então meus parabéns, mas lembre-se também que tudo tem, graças aos céus, o lado bom. E, é claro, continuo na torcida, junto com você, de que o pensar "fora da caixa" um dia vença. Continue com o ótimo trabalho e com esse pensamento incrível. ps: desculpe pelo tamanho do comentário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como a gente conversou, Gi, pretendo voltar a questão, e vou procurar abordar também o lado positivo ^^

      Excluir
  6. Olá
    È um bom texto, apesar de que eu não acho que estão todos padronizados, na verdade qual a grande quantidade de blogs que sigo posso dizer que neles encontro de tudo na área literária, conto, cronicas, cordel, poesias. O meu blog é assim também, lá se vê de tudo rsrsrs.
    Também acho que hoje em dia encontrar algo 100% original é impossível.
    Beijuh

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Acho que até poderia ser assim antigamente, mas hoje em dia surgiram muuitos autores novos, com novas idéias bem diferentes desse padrão a que você se define. Eu mesma, resenho livros diversos em meu blog, e cada um nos ensina uma lição diferente.

    ResponderExcluir
  8. Me desculpa esse é um típico de texto que eu particularmente não gosto, parece que quem escreve se acha superior (Embora possa não ter tido a intenção).
    O texto é muito bem escrito e rebuscadao o fazendo parecer ainda mais ofensivo e prepotente.
    Talvez eu tenha tido uma impressão errada. Mas olha, se vc não encontrou talvez pq não procurou direito pq no meu antigo blog eu resenhei inúmeros contos, poesias e até livros inacabados do whatpad. Assim como fiz post com poesias, contos...
    Nesse blog novo também pretendo fazer isso, mas ainda estou tentando me organizar.
    Outro ponto de vista meu, cada um faz o que quer, se a pessoa fez um blog só para ganhar livros da editora, ou se só resenha livros ele não é menos leitor que eu, julgar e apontar quem é inferior e superior não compete a nós. Eu não sei porque mas não consigo me incomodar com essas coisas!
    Quando criei um blog o fiz porque simplesmente as resenhas não tinham o tempo (presente ou passado) em que era narrado. Achei isso inovador na época e fiz eu mesmo. Acho que devemos mudar o mundo por nós mesmo.
    De qualquer forma você escreve muito bem e me fez relembrar o porquê de eu estar no mundo literário.
    www.dobbyapresenta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente, vou agradecer seus elogios. Em segundo lugar, a única coisa que busquei em minha escrita para esse texto foi não ser ofensivo, porque, uma vez que a intenção dele é gerar reflexão e mudança, e um texto ofensivo, prepotente e com ar de superioridade não costuma conseguir isso, pelo contrário.

      Ok, você não vê esse problema. Temos visões diferentes. Alguns ds comentadores concordam contigo, outros comigo, na existencia ou não dessa padronização, o que me fz crer que ela existe, em certa medida, ao menos.

      Ainda sobre a variedade, creio ser importante ressaltar que para alguns, são resenhas de conteúdos variados, não variando o formato, assim como para outros é a variedade de livros resenhados, o que honestamente, não é o que eu busco, de forma alguma. Eu creio que acesso uma quantidade relativamente grande de blogs com frequência, ao menos uns 20 por semana, se ainda assim não encontro a resposta é simples: está pouquíssimo visível. Pouquíssimo valorizado, etc. Eu realmente não creio ser crime pedir para que valorizem o diferente - ainda mais quando ele é bom.Por fim, mudar o mundo também pode ser feito ao criticado.

      Forte abraço, "Livro de Resenhas".

      PS: Qual seu antigo blog?

      Excluir
  9. Sou obrigada a concordar com algumas coisas que disse, nomeadamente com o facto de só se dar valor (ou, pelo menos, é o que parece) a autores que já publicaram livros, sendo que os outros ficam à margem como aspirantes a escritores ou algo desse género, não é verdade? Eu própria já senti isso na pele...
    E este assunto até veio mesmo a calhar, porque na minha próxima rubrica de livros do mês vou citar um blog, onde leio coisas ótimas, embora tenha ficado um pouco reticente por não ser um livro fisico. Então, entendo o que você fala aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Bea... É complicado. Precisamos desconstruir isso.

      Excluir
  10. Oi, tudo bem? O texto na minha opinião é um pouco radical ao analisar a blogosfera como um todo. Assim como em todas as profissões há blogueiros de todos os jeitos. Assim como há quem consuma esse conteúdo. Muitas vezes você pode não gostar, mas com certeza há outros que se interessam. Há blogs comerciais? Com certeza. Isso é errado? Depende do objetivo de cada blogueiro. As pessoas pensam diferente é preciso respeitar isso. Parabéns pelo post! Beijos, Érika ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei bastante do seu comentário, moça.

      Acredito que analisar uma parte da blogosfera seria um problema, até pelo que você disse: eu estaria criticando um filão, que no fim das contas, é apenas um filão. Criticar blogs de resenhas por fazer resenhas não faria tanto sentido, a coisa fica mais complicada quando os blogs literários se dedicam, 95% das vezes, a isso.

      Acredito que minha critica, falando de forma macro, não é novidade. As pessoas SEMPRE reclamaram de alguma coisa ter pouco espaço. Você pode ver isso muito na música. Ainda que muitas pessoas curtam músicas mais comerciais, não deixa de ser triste as outras terem menos espaço.

      Beijos, Érika.

      Excluir
  11. Parabéns pelo post! Bastante questionador.
    Acredito que, realmente, resenhar por resenhar e pra cumprir prazo torna a coisa muito mecânica.
    Eu, particularmente, gosto de falar sobre aquilo que mexe comigo. Mas, como dito por muitos aí acima, tem espaço pra todo mundo também.
    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só é uma pena que o espaço de alguns seja tão pequeno em comparação ao de outros.

      Excluir
  12. Eu gostei tanto do texto que vou ser obrigada a fazer uma resenha para expor os pontos que achei mais interessantes, porque foram muitos. kkkkkkk
    Literatura marginal não interessa a muita gente, moço! Infelizmente! O pessoal prefere "consumir" e produzir textos rasos do que ganhar em cultura e criticidade.
    Sabe o que é pior? O pior é ver resenhas dos mesmos livros sempre.
    E também é com grande pesar que eu afirmo que para muitas pessoas, um indivíduo só pode ser considerado escritor quando publica um livro. Isto ocorre porque poucas pessoas desconhecem a diferença entre escritor e autor. O autor é o escritor que publicou um livro, o escritor é o cara que escreve textos literários, pensamentos, faz as pessoas refletirem...
    Super concordo com essa sentença: "não sejamos injustos, porém, desde que os escritores brasileiros sigam a cartilha americana, são lidos, sim senhor" E o pior é que é isso mesmo. É tanto preconceito com a literatura nacional que eu fico por conta!
    Enfim... Amei a tua crítica e a tua coragem. Massa! Juro que sempre quis falar sobre isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiiiiiiiiiiiiim. Meu deus, é isso. Eu não consegui falar tudo que tinha em minha mente, houve uma grande dificuldade em organizar os pensamentos, escrever uma crítica, ainda mais quando sabe que ela será lida pelos criticados, é extremamente complicado. A questão que você abordou aqui "Sabe o que é pior? O pior é ver resenhas dos mesmos livros sempre." é o que torna tudo pior e mais enfadonho. Resenhas extremamente parecidas sobre livros iguais, nossa senhora...

      Excluir
  13. Oi tudo bem? então lendo o seu texto de primeira, eu me senti um pouco ofendida, mas, analisando bem percebi que eu não faço parte desta descrição que colocou na blogsfera porque eu eu sei do meu amor pela literatura, por Livros, por fazer parte e principalmente por resenhar tendo recebido um não de uma editora. claro que eu tenho que concordar que muito espaço tem se perdido por conta dessa massificação de pessoas querendo apenas receber livros e não trabalhar neles. É lamentável ver o aumento desses blogs que deixam de existir ao longo do tempo e só atrapalham quem quer estar nesse meio de trabalho. Gratificante ou não, me orgulho do que faço e vou continuar no meu caminho. Não sei se foi o seu tom ou não, só uma dica amiga, seu texto deu a entender que você é superior ao grupo que fazem parte e para ilustrar, eu determino minhas pautas de parceria e como irei lidar com o livro no.meu site, também compro meus próprios livros e elaboro meu material de divulgação, então, não sou dependente de ninguém além de mim mesma, então, não generalize. Bom texto. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, moça, tudo bem?
      Primeiro, eu não quis ofender, de verdade. E tanto não me acho superior que não penso que tem de justificar para mim o que faz.
      Sobre a questão da generalização, não vi outra forma de fazer esse ensaio, ainda mais porque, como você mesma disse, isso existe e em grande escala. E, se você não é parte do problema, provavelmente é parte da solução.

      Excluir
  14. Bem, gosto de ser sincera e, mesmo não gostando de ser tão transparente, eu sou. Não estou embalada no mundo literário e isso é o maior dos meus erros, porque a faculdade que curso exige bastante de mim em termos literários. Confesso que tenho dificuldades enormes quando tenho que ler Foucault, Lacan, Freud, etc.
    Na verdade me envolvi no mundo materno e segui essa linha e escrevo sobre o meu dia-a-dia. Meu conhecimento é pobre, limitado e me envergonho disso. Mas como você disse em um dos seus comentários, a sua intenção foi gerar reflexão e mudança, então me faz ver o quanto preciso me envolver em outras literaturas.

    Parabéns pelo blog!!

    http://solteiricedemae.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oi Vitor!!

    Viu... eu não entendi muito bem o post! Tive uma ideia mais clara depois de ler os comentários. A maioria dos blogs literários que eu conheço falam sobre livros através de resenhas. Na minha opinião esse é o tipo de texto que mais se enquadra na exposição de conteúdo cultural através de texto, expondo um resumo de alguma obra e a sua crítica, com o intuito de divulgar e informar. Muitas vezes os autores desses blogs querem conversar ou falar sobre livros, e não escrever poesias, contos ou ensaios. E nenhuma dessas formas de literatura é em sua essência original.

    Eu não acredito que a popularidade de alguns livros ou autores em alguns blogs seja coincidência, pelo contrário... acredito que o perfil dos blogueiros tende a ser parecido e isso pode provocar a semelhança dos conteúdos de alguns blogs.

    Sobre a cartilha americana, eu acredito que alguns livros e autores extremamente populares, também sejam de alguma forma marginalizados... porque apesar de serem muito bem vendidos e terem um público de leitores assíduos, esses autores são considerados menos importantes por escreverem sobre uma protagonista que tem seu mundo virado de cabeça para baixo após conhecer o mocinho problemático.

    Eu acredito que o bom mesmo é ter toda essa variedade de produção textual, de conteúdo e de pensamento.

    Até mais! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sinto muito que meu texto não tenha sido claro o suficiente para você, moça. Em momento nenhum pedi que contos ou poesias fossem escritos, mas lidos e resenhados. E o ensaio é um texto critico também, onde se pode abordar qualquer tema.

      Acho que a questão dos blogueiros tenderem a ser parecidos e gerarem conteúdo parecidos vai contra a sua visão de que bom mesmo é uma variedade de produção textual, conteúdo e pensamento.

      Sobre a cartilha americana, me limitei a blogosfera.

      Excluir
  16. Oi! Esse texto é para refletir mesmo, não sou muito ligada nesse mundo de blogs literarios, mas pelo pouco do que eu já li, a grande maioria são resenhas de livros americanos, fica meio que padronizado e cansativo "minha opinião". Na Blogosfera há espaço para todos sim, há quem goste e há quem não goste, eu prefiro procurar conteúdos mais diversificados, blogs que abordem vários temas, que tragam resenhas, contos, poesias, cordel (sim, já li cordel e amo) e se for de autoria própria ou livros dos grandes autores brasileiros melhor ainda.
    Adorei seu texto, beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito interessante seu comentário, Renally. Embora eu preferisse não ter de procurar tanto, vou dar uma olhada maior.

      Excluir
  17. Ótimo texto, levantou algumas questões que eu não tinha parado pra pensar antes. Literatura é literatura, vindo em livro ou não. O livro tem a vantagem de ser físico, enquanto o que se lê na internet tem o problema das distrações. Mas já li autores (daqui do coletivo mesmo) que escrevem muito melhor do que muito nome famoso e publicado. Interessante pensar nisso. :3

    Sobre as resenhas... não tenho muito o que dizer, porque não gosto de fazê-las e raramente as leio também. Quando resolvo ler ou assistir algo é porque alguém indicou ou porque algo na capa, no título ou coisa do tipo chamou a atenção. E é verdade, confesso... muitos blogs de resenha eu só entrei por causa dos sorteios. :x

    ResponderExcluir
  18. Oi Vitor! Tudo bem? Essa é a primeira vez que visito o seu blog e confesso ter ficado contente com o conteúdo que encontrei aqui. Seus questionamentos são muito plausíveis. Temo não saber respondê-los. No mais, uma coisa é certa: não deixe de escrever. Reconhecimento é algo que buscamos (eu busco, sinceramente) e que nos mantém motivados, sim. Porém, eu entendo que essa força maior que nos faz continuar escrevendo (sobre o que amamos) precisa prevalecer, para o nosso próprio bem - e sanidade (Risos). Se a nossa escrita faz bem a nós mesmos, já temos o principal suporte. Sei que soa utópico, mas essa ideia me conforta. Bem, espero que ela possa acrescentar algo para você. Obrigada pelo texto! Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Eu concordo em partes com o que disse. Acho que cordeis, poesias e contos deveriam sim ser melhor explorados, mas conheço muitos blogs literários que não abordam apenas livros. Seu texto foi muito bem escrito.
    Abraços

    ResponderExcluir
  20. Oi, Vítor!
    Nunca ouvi falar sobre literatura marginal!! Seu texto me levou a refletir sobre tudo o que escreveu (são muitas dúvidas).
    Tenho lido muitas resenhas de livros nacionais e percebido a valorização desses autores. Gosto muito de ler e leio tudo o que desperta a minha curiosidade. Há pouco mais de um ano criei o blog e comecei a escrever contos. Enquanto as ideias forem surgindo vou continuar escrevendo!
    Gostei muito do seu desabafo, parabéns pelo texto!!
    Abraço,
    Cidália.

    ResponderExcluir
  21. Oi, Vítor!
    Nunca ouvi falar sobre literatura marginal!! Seu texto me levou a refletir sobre tudo o que escreveu (são muitas dúvidas).
    Tenho lido muitas resenhas de livros nacionais e percebido a valorização desses autores. Gosto muito de ler e leio tudo o que desperta a minha curiosidade. Há pouco mais de um ano criei o blog e comecei a escrever contos. Enquanto as ideias forem surgindo vou continuar escrevendo!
    Gostei muito do seu desabafo, parabéns pelo texto!!
    Abraço,
    Cidália.

    ResponderExcluir
  22. Olá! Uma boa parte dos pontos que você coloca aqui, com certeza, você tem razão. É um grito de revolta. Muitas vezes os blogs parecem seguir sempre o mesmo padrão, bombardeados de posts iguais para divulgação de Editoras. Mas sim, existem blogs também que abordam outros temas, que sim, faz resenhas de contos além de escrever textos autorais e participa de eventos literários, visita sebos, lê livros que não estão na moda, fala de movimentos literários. É o que procuro fazer. Sabe, uma das coisas que sinto falta é falar mais profundamente sobre uma obra, o que as vezes não é possível para não dar os famosos "spoilers". Meus blogs, a pesar de seguir a corrente muitas vezes, procura também fazer algo diferente. Muito bom seu post, é sempre bom expor nossas opiniões, sucesso !!!

    ResponderExcluir
  23. Olá, que texto impactante. Você abriu meus olhos em certos pontos.
    Bom, eu criei o blog com o intuito de escrever meus próprios textos (e esse é meu foco principal). Sempre amei ler, e livros sempre fizeram parte de mim. Então, decidi também incluir outras coisas que gosto, como resenhas (embora ainda tenha poucas), sobre filmes, séries, livros...
    O que acho ruim, no quesito "fazer resenhas", é quando são feitas por pessoas que não gostaram do que leram, mas mesmo assim insistem em falar bem, só para continuar recebendo prêmios, ou seja lá o que for. Tenho em mim, mostrar aos meus leitores coisas das quais eu realmente goste. E, se não gostar, dizer sobre o que achei ou até mesmo, nem dizer. Eu havia conseguido uma parceria para o blog, e teria que ler livros de uma autora e resenhar cada um. Devido ao não esclarecimento do que se tratava o conteúdo, comecei a ler e me deparei com coisas que não me agradaram. Imediatamente falei com ela e disse que não poderia prosseguir com a parceria. Por quê? Porque não quero passar algo para meus leitores, do qual nem eu mesma gostaria que passassem para mim.
    Não estou aqui visando somente o crescer. Estou visando o crescer da maneira certa para mim.
    E, para ser sincera, quando descobrimos mais sobre a literatura, se realmente gostamos desse mundo literário, é aí que sentimos mais vontade de fazer parte do mesmo. Foi o que aconteceu comigo. Eu já gostava, mas não entendia. Passei a amar, quando também passei a entender. Sei que muitos que estão envolvidos nisso, nunca leram ou até mesmo, se interessaram pela história da literatura. Mas também sei, que não é algo obrigatório, certo? Cada um sabe com que propósito criou o blog; seja bom aos nossos olhos, ou não. E isso não os torna errados.
    E, é aquilo, seu texto tem muita coerência e entendi o que quis transmitir.
    Continue fazendo a diferença.
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  24. Fala brother, beleza?

    Primeiro deixa eu dar uma respirada aqui após essa leitura. Cara, quando comecei a escrever você foi a primeira pessoa que tentou abrir meus olhos mostrando que esse "Universo Literário" não era um grande "Conto de Fadas", na época eu estava tão empolgado com a ideia de escrever que não quis lhe dar ouvidos.

    Mas hoje, passado algum tempo (não muito), pude perceber que você não estava de tudo errado. Eu vou ser um pouco mais apelativo que seu texto ao falar que existem classes de escritores, e essas classes meio que desprezam as que consideram inferiores, vou exemplificar:

    Autores publicados não gostam de se misturar com autores não publicados (do Wattpad por exemplo) e menos ainda com blogueiros, por mais que ele tenha sido blogueiro um dia. Eles acham que a editora lhes dá super poderes e que por isso são superiores aos demais.

    E o pior de tudo é que parece que as editoras estimulam esse tipo de comportamento, não sei se pra criar uma falsa competição para autores e blogueiros não publicado para que estes alcancem os "Benefícios" de quem já foi publicado, é quase uma distopia isso, me lembra muito a série da Netflix 3%.

    O fato é que há muito preconceito pelas mais variadas formas de literatura, e principalmente preconceito por quem não tem nada impresso. Gostei muito quando você diz sobre blogueiros literários não resenharem contos, uma vez uma pessoa até me perguntou, porque eu não deixava que resenhassem meus contos, eu sorri e falei que deixo, mas ninguém nunca quis resenhar rsrsrrs.


    Forte abraço e parabéns pela postagem, essa está "Vallombrosa"


    Frank S. C. Writer
    franklinsousa.com.br

    ResponderExcluir